Aprende portugués con los clásicos del Bossa Nova

Brasil es cuna de importantes músicos, donde se han creados famosos géneros musicales que han cruzado sus fronteras. Por un lado la samba con su ritmo alegre es todo un emblema del carnaval de Río, pero la Bossa Nova con sus delicados ritmos sedujo al mundo entero.

Bossa nova, aprendiendo portugués al son de su ritmo

Bossa Nova

Si eres aprendiz del portugués y amante de la Bossa Nova aprender canciones de este género te ayudará a practicar la pronunciación de este idioma, mientras disfrutas de su hermosa melodía y aprendes nuevas palabras a través de las letras de sus canciones.

En esta oportunidad hemos escogido dos clásicas canciones de bossa nova, consideradas exponentes de la música popular brasileña.

La Garota De Ipanema, fue escrita por Vinicius de Moraes con la magistral  música de Tom Jobim, es todo un icono de todos los tiempos. 

Garota De Ipanema

Olha que coisa mais linda

Mais cheia de graça

É ela, menina

Que vem e que passa

Num doce balanço

A caminho do mar

 

Moça do corpo dourado

Do sol de Ipanema

O seu balançado é mais que um poema

É a coisa mais linda que eu já vi passar

 

Ah, por que estou tão sozinho?

Ah, por que tudo é tão triste?

Ah, a beleza que existe

A beleza que não é só minha

Que também passa sozinha

 

Ah, se ela soubesse

Que quando ela passa

O mundo inteirinho se enche de graça

E fica mais lindo

Por causa do amor

 

 

La chica de Ipanema

(Español)

Mira que cosa hermosa

Más llena de gracia

Se trata de una chica

Que viene y va

En el columpio dulce, el camino hacia el mar

 

Chica del cuerpo de oro

El sol de Ipanema

Su balance es más que un poema

Es la cosa más hermosa que he visto más de

 

Ah, porque estoy tan solo

Oh, porque todo es tan triste

Ah, la belleza de

La belleza no es sólo mi

Eso también va solo

 

Si ella supiera

Que cuando se pasa

Todo el maldito mundo se llena de gracia

Y lo que es más hermoso

A causa del amor (bis)

 

 

 

Águas de Março, fue compuesta y grabada por Antonio Carlos Jobim y es otro de los clasicos más sonados de este genero, aprende y canta esa hermosa canción de bossa nova.

 

Águas de Março

(Portugués)

É pau, é pedra

É o fim do caminho

É um resto de toco

É um pouco sozinho

É um caco de vidro

É a vida, é o sol

É a noite, é a morte

É um laço, é o anzol

É peroba no campo

É o nó da madeira

Caingá candeia

É o matita pereira

É madeira de vento

Tombo da ribanceira

É o mistério profundo

É o queira ou não queira

É o vento ventando

É o fim da ladeira

É a viga, é o vão

Festa da cumeeira

É a chuva chovendo

É conversa ribeira

Das águas de março

É o fim da canseira

É o pé, é o chão

É a marcha estradeira

Passarinho na mão

Pedra de atiradeira

É uma ave no céu

É uma ave no chão

É um regato, é uma fonte

É um pedaço de pão

É o fundo do poço

É o fim do caminho

No rosto um desgosto

É um pouco sozinho

É um estepe, é um prego

É uma conta, é um conto

É um pingo pingando

É uma ponta, é um ponto

É um peixe, é um gesto

É uma prata brilhando

É a luz da manhã

É o tijolo chegando

É a lenha, é o dia

É o fim da picada

É a garrafa de cana

O estilhaço na estrada

É o projeto da casa

É o corpo na cama

É o carro enguiçado

É a lama, é a lama

É um passo, é uma ponte

É um sapo, é uma rã

É um resto de mato

Na luz da manhã

São as águas de março fechando o verão

É a promessa de vida no teu coração

É pau, é pedra

É o fim do caminho

É um resto de toco

É um pouco sozinho

É uma cobra, é um pau

É João, é José

É um espinho na mão

É um corte no pé

São as águas de março fechando o verão

É a promessa de vida no teu coração

É um passo, é uma ponte

É um sapo, é uma rã

É um belo horizonte

É uma febre terçã

São as águas de março fechando o verão

É a promessa de vida no teu coração

 

Águas de Março

(Español)

Es palo, es piedra, es el fin del camino

Es un resto de tronco, está un poquito solo

Es un casco de vidrio, es la vida, es el sol

Es la noche, es la muerte, es un lazo, un anzuelo

Es un árbol del campo, un nudo en la madera

Caingá, candela, es matita de pera.

Es madera del viento, alud en el despeñadero

Es misterio profundo

Es el quiera o no quiera

Es el viento venteando, el fin de la ladera

Es la viga, es el vano, la fiesta del tijeral

Es la lluvia lloviendo, la voz de la ribera

De las aguas de marzo, el fin del cansancio

Es el pie, es el suelo, es marcha caminera

Pajarito en la mano, piedra del tira-piedras.

Un ave en el cielo, un ave en el suelo

Un arroyo, una fuente

Un pedazo de pan

Es el fondo del pozo, es el fin del camino

En el rostro el disgusto, está un poquito solo.

Es un tarugo, un clavo

Una punta, un punto

Una gota goteando

Una cuenta, un cuento

Es un pez, es un gesto

Es la plata brillando

Es luz de la mañana, un ladrillo llegando

Es la leña, es el día, es el fin de la huella

La botella de ron, reventón caminero

El proyecto de casa, es el cuerpo en la cama

Es el coche atascado, es el barro, es el barro

Es un paso, un puente

Es un sapo, una rana

Es un resto de campo en la luz de la mañana

Son las aguas de marzo cerrando el verano

Es la promesa de vida en tu corazón.

Es palo, es piedra, es el fin del camino

Es un resto de tronco, está un poquito solo

Es una culebra, es un palo, es Juan y José

Un espino en la mano, es un corte en el pie

Son la aguas de marzo cerrando el verano

La promesa de vida de tu corazón.

Es palo, es piedra, es el fin del camino

Es un resto de tronco, está un poquito solo

Es un paso, es un puente

Es un sapo, una rana

Es un bello horizonte, una fiebre terciana

Son las aguas de marzo cerrando el verano

La promesa de vida en tu corazón.

Palo, piedra, fin del camino

El resto de tronco, está un poquito solo.

Palo, piedra, fin del camino

El resto de tronco, está un poquito solo.

Palo, piedra, fin del camino

Resto de tronco, un poquito solo.

Palo, piedra, fin del camino

Resto de tronco, un poquito solo.